Distensões musculares

As distensões ocorrem em esportes que exigem esforço muscular explosivo por um curto período de tempo, como no basquete e corrida de velocidade ou também quando incluem parada repentina, desaceleração, aceleração rápida e a combinação de aceleração e desaceleração.

As distensões são ocasionadas quando a demanda sobre um músculo excede sua resistência natural, pode haver ruptura das fibras musculares, como em caso de sobrecarga durante tração muscular excêntrica.

Costumam acontecer em músculos que movimentam duas articulações (biarticulares), como os músculos posteriores da coxa, que flexionam o joelho e estendem o quadril.

As distensões podem ainda ser classificadas de acordo com o grau de ruptura: o primeiro e o segundo grau envolvem ruptura de fibras musculares parciais e as de terceiro grau se refere a ruptura completa ou separação.

Sintomas: Dor aguda ou em pontada no momento da lesão e durante a contração do músculo em questão, em ruptura parciais a dor resultante pode inibir a contração muscular e o defeito pode ser palpado durante o exame de palpação, em rupturas completas, os músculos são incapazes de se contrair por questões mecânicas, sensibilidade e edema localizado são frequentes no local afetado, após 24 horas da lesão pode ser observado sinais de equimose, ou seja, sangramento dentro do músculo, podendo também haver espasmos musculares.

Cicatrização: Devido a excessiva distensão do músculo, as fibras musculares e vasos sanguíneos se rompem. As extremidades rompidas se retraem, e a área lesada é preenchida por sangue. Inicialmente ocorrerá inflamação e em seguida reabsorção do sangramento. O reparo da lesão muscular envolve dois eventos; a formação de novas fibras musculares e produção de tecido cicatricial simultaneamente.
Os músculos esqueléticos tem grande capacidade de regeneração, mas as novas fibras são mais curtas e irão incorporar o tecido cicatricial, que não é elástico. Áreas com diferentes elasticidades podem se formar nos músculos,aumentando assim o risco de ruptura reincidente.

Tratamento: Logo quando ocorrer a distensão aplicar gelo, elevar o membro lesado, suspender a atividade física.

O fisioterapeuta pode realizar diversas condutas que irá variar de acordo com a classificação da distensão e o indivíduo lesado.
Em geral, são empregados aparelhos para combater a inflamação e promover alívio de dores e desconfortos; realizadas bandagens, compressões locais e aplicações de gelo para combater a formação de edemas e hematomas, acelerando-se assim o processo de recuperação; e também são prescritos exercícios terapêuticos específicos, intercalados com repouso.

Os aparelhos de eletrotermoterapia mais utilizados são o Ultra-som (de forma pulsada a 20%, é indicada devido ao aumento da velocidade de cicatrização na fase inflamatória) e o Laser (com frequência de 3 J, torna-se favorável devido o efeito anti-inflamatório que possui).

A crioterapia ( uso do gelo) é muito eficaz pois torna o ritmo das reações químicas mais lentas e inibe a liberação de histamina ,que é um vasodilatador, aumentando o fluxo sanguíneo local; o espasmo muscular, a dor e o tempo de incapacidade também são minimizados devidos seu efeito na redução do metabolismo celular e na diminuição da condução nervosa pelos nervos periféricos.

Written by

Dra. Melina Caniçali

76 Posts

Bem vindos! Meu nome é Melina, sou nascida e criada na Bahia, Brasil, Fisioterapeuta por formação e atualmente resido em Orlando, Florida, Estados Unidos. O blog tem o objetivo de levar conteúdo simples capaz de transformar sua vida. Espero que goste. Deixe sua mensagem! Mel
View all posts

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *